0

Por Felipe Cruz e Tiago Bombonatti
Com a colaboração de Guilherme Queiroz e Thiago Carvalho

Uma das agremiações mais aguardadas da noite foi a Mocidade Alegre, que entrou na avenida já na madrugada de domingo (7) para comemorar os 100 anos do samba por meio de um ancestral chamado Ayo. O desfile foi marcado pela inovação e pelo luxo que a Morada do Samba apresentou por toda a passarela.

O tema 2016 da agremiação “Ayo – A alma ancestral do samba”, celebra os cem anos do samba através da história de um ancestral chamado Ayo, o Deus do ritmo, e foi desenvolvido pelo Carnavalesco Sidnei França.

IMG_6505

A presidente Solange fez um breve discurso pedindo descontração alegria e força para sua comunidade. Os hinos da escola foram relembrados pelo time de canto, sob o comando do intérprete Igor Sorriso, que fez os desfilantes saírem do chão com seu grito de guerra e também após começar a cantar o samba 2016 dos compositores Gui Cruz, Luciano Rosa, Portuga, Rafael Falanga, Rodrigo Minuetto e Vitor Gabriel.

 VÍDEO COM A LARGADA DA MOCIDADE ALEGRE

Um grande elemento alegórico trouxe os componentes da comissão de frente do coreógrafo Robério Teodoro, o grupo veio com fantasias que remetem a rituais de religiões afro-descendentes. O grande carro abre-alas, repleto de animais e todo iluminado também exaltava danças e costumes africanos. O primeiro casal, Emerson Ramires Karina Zamparolli, nota 40 no último carnaval, bailou com uma bela roupa vermelha e marrom.

IMG_6476

As fantasias da Mocidade Alegre apresentaram muita sofisticação e bom gosto em seu acabamento, respeitando os pilotos que foram apresentados na quadra. A bateria “Ritmo Puro” balançou o público nas arquibancadas em vários momentos que os ritmistas paravam de tocar e somente a escola mandava no gogó.

IMG_6500

A quarta alegoria  “E o samba cria raízes” teve alguns problemas de locomoção durante sua passagem, mas não prejudicou  o  desenvolvimento da escola. A Morada do Samba terminou seu desfile sem atrasos e não apresentou problemas em sua evolução. O último carro, “O samba é protegido por Ogum”, trouxe um telão que projetava o pavilhão de todas as escolas coirmãs.

Ao final, nossos repórteres conversaram rapidamente com Érica Ferreira, Diretora Geral de Harmonia, para avaliar o desfile da Mocidade Alegre, ouça:

Comentários do Facebook

Tucuruvi canta festas de fé

Previous article

Vai-Vai busca o bicampeonato com enredo sobre a França

Next article

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may also like